CCBB SP reabre com exposição gratuita sobre o Egito Antigo


No CCBB SP – Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo você pode ver esculturas, sarcófagos e até uma múmia humana! Todas as peças pertencem ao Museu Egípcio de Turim, na Itália.

Imagina só poder ver de perto uma múmia humana datada de 700 anos A.C? Isso vai ser possível na exposição “Egito Antigo: Do Cotidiano À Eternidade“, que marca a reabertura do CCBB SP após sete meses fechado por conta da pandemia do Covid-19.

A múmia é o corpo de uma senhora que se chamava Tararo. Ela pertencia a 25ª dinastia, que ficou conhecida como Dinastia Núbia ou Faraós Negros. Eles eram oriundos da Núbia, área que corresponde ao atual Sudão.

Ela vem acompanhada por seu bau-caixão, onde se encontram hieróglifos e pinturas – a tradução deles mostra como os egípcios usavam “fórmulas mágicas” para dar orientações para a alma encontrar o corpo mumificado.

Esse era o modo como essa civilização acreditava proteger o espírito contra os perigos da passagem da vida para morte. Ficou curiose? Em um ambiente que remete a uma tumba, com iluminação azul meia-noite, considerada por eles a cor da eternidade, tem uma série de informações sobre suas crenças na eternidade.

E não é só isso! A exposição conta também com 140 peças relacionadas à história de uma das primeiras grandes civilizações da Antiguidade. E tudo isso está dividido em três categorias: vida cotidiana, religião e eternidade.

Você vai conseguir entender direitinho como viviam as pessoas no vale do Nilo. O dia no Egito Antigo começava quando os primeiros raios de luz emergiam do akhet (horizonte) para iluminar Kemet, a terra negra (Egito). Este também é o momento em que começa a sua jornada pela mostra.

Prepare-se para ser transportado para outro mundo, totalmente ligado à figura do Sol! A imersão é ainda mais completa por meio de artefatos e de fotos e vídeos do rio Nilo, de sítios arqueológicos e de tumbas.

Alguém falou em interatividade? Tem! Há um vídeo com reconstrução 3D de monumentos, baseada em dados reais, que permite aos visitantes percorrer lugares no Egito Antigo. Uma atração perfeita para tirar aquela selfie maravilhosa com uma esfinge ou uma pirâmide e ainda participar de atividades lúdicas.

Se quiser fazer um mergulho ainda mais profundo na história, aproveite a réplica de uma escavação e um livro eletrônico, com parte do material registrado pelas equipes de Napoleão (de 1798 a 1801), com imagens de monumentos, esculturas, paisagens e objetos, que poderá ser navegado pelos usuários e será projetado em um telão.

Para quem tem curiosidade sobre o lado sagrado do Egito Antigo, boas notícias: em um dos ambientes da mostra, você consegue se sentir dentro de um templo. E como? #SpoilerAlert: com o predomínio da tonalidade verde e uma iluminação suave.

Essa cor está ligada a muitos conceitos, em especial ao renascimento e à regeneração. Ao mesmo tempo, é a cor da pele do deus Osíris, rei dos mortos, e à tonalidade do papiro, feito a partir da planta identificada com o Nilo, que crescia na água e representava uma nova vida.

Com uma religião politeísta, o tipo mais íntimo de devoção era por meio da consagração de objetos que representavam as divindades. E como muitos deuses assumiam uma forma animal, nos templos, um animal associado a um deus poderia ser considerado sua encarnação e, se morresse, seria mumificado e poderia ser deixado como oferenda.

Outra peça que deve chamar atenção do público na exposição sobre o Egito Antigo no CCBB é a estátua de uma divindade chamada Sekhmet. Ela tem a cabeça de leoa e é como se fosse a Deusa da Guerra. Sua representação em granito tem mais de dois metros e pesa cerca de 500 quilos.

Para quem nunca foi ou conhece pouco do Egito, um vídeo introdutório no começo da exposição vai projetar imagens 3D dos mais importantes monumentos de lá, como o templo de Karnak e a esfinge de Gizé.

A múmia humana, a estátua de Sekhmet e os outros artefatos originais da exposição “Egito Antigo: Do Cotidiano À Eternidade” vão ocupar os seis andares do CCBB São Paulo até 3 de janeiro de 2021. Todas as peças vêm do Museu Egípcio de Turim, na Itália.


 

Até 03 de janeiro de 2021
Segunda – Quarta – Quinta – Sexta – Sábado – Domingo
Das 9h às 17h (visitas com duração de 45 minutos) (retirada de ingressos somente online)
Preço: Grátis
Endereço: Rua Álvares Penteado, 122 – Centro, São Paulo – SP, Brasil